quarta-feira, 28 de março de 2012

Resenha Crítica: O Clube do Imperador


      
   O filme “O Clube do imperador” é dirigido Michael Hoffman que foi co-fundador do Idaho Shakespeare Festival em 1977. O clube do Imperador ocorre em uma escola tradicional freqüentada por jovens da classe alta, onde o professor Willian Hundert é um dos melhores educadores daquela instituição e nunca teve problemas com seus alunos, mas a rotina dele mudou ao conhecer o novo aluno. Um jovem arrogante filho de um senador chamava-se Sedgewick Bell e usava o poder do seu pai para fazer o que queria na escola,com que fez Hundert se identificar com o garoto.
    O professor William era respeitado pelos alunos, mas nem seus métodos de ensino não mudaram o comportamento daquele rapaz. Na esperança que houvesse uma mudança de caráter e melhor rendimento do aluno, o educador resolveu classificá-lo para um concurso organizado pela escola, alterando a nota do mesmo, cometendo assim um grande erro e prejudicando outro discente que teve melhor rendimento e ficou fora da competição.
    O filme Clube do Imperador mostra um educador renomado que não consegue mudar a conduta de um aluno, onde o professor comete um erro na esperança de mudança daquele jovem, alterando a nota deste para o mesmo participar de um concurso Júlio Cesar realizado pela escola. Naquele concurso Bell trapaceou, pois tinha pesca das perguntas que seriam feitas, entristecendo o Willian que o desclassificou quando notou que o mesmo estava trapaceando e fez uma pergunta que o aluno não saberia responder, com isso, o aluno criou uma guerra contra este professor.
    Após alguns anos o aluno convida o educador para uma festa em sua casa e os ex-colegas de classes, mostrando que o caráter e sua falta de honestidade não influenciaram no seu status atual, pois era um político igual ao sue pai.      Enfim, Willian se sentiu fracassado como educador, pois seu ex-aluno não teve a mudança que ele esperava e terminou prejudicando um excelente aluno que poderia ter se classificado naquela época.
    Aproveitou a oportunidade do reencontro da turma para contar toda verdade para o aluno que tinha sido prejudicado e confessa que ele deveria estar classificado no concurso realizado naquela época.
    O professor tinha parado de dar aulas, entrou em um conflito interno, mas viu que daquela classe que ele ensinou apenas um aluno não teve um bom caráter e que a culpa não era dele pela falta de honestidade de Sedgewick  Bell, assim retornou aquela instituição para lecionar.
  O filme mostra a relação entre professor com uma classe de alunos, mostrando que às vezes a ética é deixada de lado, quando damos prioridade ao que achamos importante (nesse caso melhor rendimento do aluno Bell e sua mudança de conduta). Mas também mostra o papel do professor e que o mesmo pode influenciar seus alunos, agora cabe a ele fazer a escolha ert.    Segundo Paulo Freire: “Todos devem dar importância ao educador na formação de cidadãos conscientes de suas responsabilidades”.
   O Clube do Imperador é recomendado para professores, pedagogos e alunos, pois retrata questões éticas em que podemos tirar uma grande lição para nossas vidas.

Laise de Jesus Pereira Santos
Graduanda do curso de Bacharel em ciências Contábeis - vespertino

REFERÊNCIAS
O Clube do Imperador. (The Emperor’s Club). Direção: Michael Hoffman EUA. 2002. DVD (109 min),  widescreen, color., dublado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário